segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Documentário "Eu sou Maria"


Foi lançado no Youtube o documentário "Eu sou Maria", de Matheus Andrade e Regina Behar, sobre a personagem de Henrique Magalhães. 

A personagem, entre outros aspectos, tem um importante impacto na produção de tiras brasileiras que apresentam discursos e debates sobre as sexualidades dissidentes. Importantíssimo para quem se interessa pela relação Gênero e Sexualidade e Histórias em Quadrinhos. 

Veja o vídeo em http://youtu.be/SldSiLs_ma8

sábado, 22 de novembro de 2014

Coletânea: "Quadrinhos sob diferentes olhares teóricos"



Agora em novembro, durante o II Simpósio Nacional sobre Linguagem Humorística: Focalizando Quadrinhos que ocorreu na Universidade Federal do Espírito Santo, em Vitória, foi lançada a coletânea "Quadrinhos sob diferentes olhares teóricos", organizada pelos professores Penha Lins e Rivaldo Capistrano, ambos professores do Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos da UFES.

A coletânea apresenta diversos estudos desenvolvidos no âmbito da linguística e no debate sobre o humor.

São dez artigos de quatorze pesquisadores:

Histórias em Quadrinhos e Identidade de Ana Cristina Carmelino ;
A Referenciação como gatilho para a construção do humor em tiras cômicas de Rivaldo Capistrano e Maria da Penha Lins;
Quadrinhos e Leitura na mídia social digital: porque comentar é preciso de Vanda Maria Elias;
Gênero de Humor nos Quadrinhos de Paulo Ramos;
História em Quadrinhos e a noção de Scripts de Maria Cristina Tafarello;
As funções Intertextuais nos Quadrinhos de Mônica Cavalcanti, Jamile Forte e Mariza Brito;
Quadrinhos e Gêneros Sociais de Amaro Braga;
Retextualização em Quadrinhos: de Shakespeare a Maurício de Souza de Glaucimere Coelho
O discurso da personagem Marly e suas implicaturas de Lorena Gonçalves;
Tolerância social e violência contra as mulheres: discurso, ideologia e contexto de Micheline Tomazi;
Os atos de fala em tiras de Mafalda: o questionamento sobre a ditadura de Maria da Penha Lins e Mônica Oliveira.




Eu participo da coletânea com um artigo que quebra a hegemonia teórica focada na linguagem discutindo como a questão do humor se constitui a partir de uma debate sobre o gênero social.

O livro foi editado pela editora da UFES em parceria com o PPGEL, tem 221 páginas e conta com muitas ilustrações coloridas. 


Para adquirir exemplares, entre em contato com o PPGEL/UFES ou clique no link do pagseguro abaixo. 

O valor de R$ 30,00 já inclui a postagem e pode ser parcelado em até 3 vezes.



quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Outubro: Alguns Lançamentos na França




 Vermin - Episódio 1: The Return of Penelope - por William Guerse e Marc Pichelin - Os Hammerheads
Na pequena cidade provincial de Blattaville, a vida continua via pacífica. Tome escovas, desça a rua para Gege, brilhante, mas incompreendido artista, todo esforço vale bem a pena uma cômoda.


 Brigadas tempo T3: Salvando o USS Enterprise - por Duhamel e Kris - Dupuis
História alternativa e ironica, "As Brigadas de tempo" estão de volta para um terceiro livro e segundo aventura. Da caneta do insaciável Kris e lápis Duhamel, a dupla improvável de agentes ukroniens de volta em ação para lutar contra os falsificadores da história.



 Voltar para o Kosovo - por Gonzalez & Jakupi - Dupuis
Após depoimento inicial surgiu em 2012, Gani Jakupi retorna ao seu país de origem. Entre a nostalgia, a rebeldia e força demissão estampas, um álbum cuja forma se recusa a favorecer clássicas da ilustração do humor e as emoções.



 Um homem de gosto T1: Aperitivo - por Cha & Eldiablo - Edições Ankama
Fantasia: Um confronto da polícia com um aroma de porta fechada... Pelos autores de "Pizza Roadtrip" e "Rascals".




 Maxence T1: A Sedição de Nika - por Romain Sardou e Carlos Rafael Duarte - O Lombard
Constantinopla, 532 Justiniano reinado sobre o Império Romano do Oriente. Mas seu poder está ameaçado. As facções rivais da cidade, os azuis e os verdes, apenas esperando para destruir e derrubar a coroa. 



 Alaskan Peludo: Moufflot, inverno 1914 - Para Brown, Delbosco & Duhand - Casterman
Episódio incrível da Primeira Guerra Mundial: um oficial em uma missão de recrutamento para os Estados Unidos ... Uma mistura perfeita de destinos pessoais e duela entre países.



Sorte Kid! ... Seinen A luta comovente, tocante e brutal e combina humor. A primeira rodada sucesso!




 Spice & Wolf, T10 - por Keito Koume & Isuna Hasekura (Trad Nicolas Pujol.) - Ototo, Mangá
O enredo: o porto da cidade de Ghelbe é dividido entre norte e sul. Lawrence pediu seu estado estrangeiro, deve escolher um dos lados; Isto significa decidir que traem o benefício disso. Uma situação perigosa. Holo não conseguem informar e orientar seu companheiro nesta jornada que parece condenar a ser um peão descartável.


     Misture T2 - (. Trad Margot Maillac) por Mitsuru Adachi - Tonkam, Mangá
A equipe medíocre de baseball da faculdade Meisei  começa o torneio inter-escolas. Os irmãos Tachibana representam a melhor oportunidade para a equipe, mas o treinador está determinado a deixá-los de lado, e cortar pela raiz as esperanças e sonhos de seus jogadores. Será que vai ter um futuro para os nossos heróis para Meisei?


Inu & Neko T1 - Par Kuzushiro (Trad. Nicolas Pujol) - Ototo , Mangá
Yachiyo adore les chats mais tout le monde lui dit que son caractère tient davantage du chien. Suzu, de son côté, adore les chiens mais on ne cesse de lui répéter qu'elle ressemble à un chat. Et lorsque ces deux-là se rencontrent, le coup de foudre n'est pas bien loin !



 Moyasimon T1 - por Masayuki Ishikawa - Glénat Manga
Você sempre quis saber sobre todos os germes, bactérias e fermentação? Esta manga é para você! E mesmo se não fosse, seria uma pena não experimentar ...



 Barqueiro das almas - Golo Zhao - Cambourakis
Esta coleção de histórias leva o título da última notícia que se conecta com todos os outros. Golo Zhao consegue nos levar ao coração da China contemporânea através de um trabalho de forma muito elegante.


  Altair T1 - por Kotono Kato (Trad Fedoua Lamodière.) - Glénat Manga
Aqui Glénat propõe um quadro de shonen com um fictício  Oriente Médio, entre medieval e moderno, com enfoque na estratégia militar. 


 Gotham Central T2 - por Ed Brubaker e Greg Rucka (Trad Alex Nikolavitch.) - Comics 
A polícia de Gotham ainda muitoenvolvida com os vilões que Batman geralmente prende. O que vai acontecer quando os investigadores "normais" enfrentarem o Coringa ou o Chapeleiro?


 John Profeta T2 - por Brandon Graham, Simon Roy, Farel Dalrymple e Giannis Milonogiannis (Trad Benjamin Rivière.) - Comics 
Lançado no outono o Volume 2 de John Profeta, a história mostra um ano após a anterior. Boa ficção com fortes referências à ciência.


 Sons of Anarchy - Por Christopher Dourado e Damian Couceiro - Edições Ankama
Encontre os personagens da série de TV Kurt Sutter em um conjunto único de histórias em paralelo com a Temporada 5 da TV.



Versão adaptada dos lançamentos e mail-list de ActuaBD 

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Recebi: "Dora" de Bianca Pinheiro


Bianca Pinheiros lançou, em setembro de 2014, um álbum independente chamado "Dora", uma HQ de suspense psicológico, onde a protagonista, homônima, tem um comportamento à lá "Carrie, a estranha". O enredo envolve os acontecimento trágicos entre uma garota com traços de autismo sociofóbico e as tentativas de sua mãe em proteger sua filha de todos e de até de si mesma. Inclusive, não há como não se identificar com a mãe e seu vínculo afetivo.

O desenho de Bianca é simples, mas convidativo. Ele é expressivo e atencioso com os detalhes, sem exagerar ou exceder aquilo que é necessário para compreender a cena. Eu gostei bastante.



Apesar da concepção da personagem não ser inovadora (uma garota atormentada que perturba as pessoas e causa fenômenos sobrenaturais ao seu redor) o roteiro de bianca é muito bom. A narração disfarçada de interrogatório  é divertida e prende a atenção do leitor até a última página. E, na minha leitura, tem a dose certa de clichê para agradar.

O final é daqueles que incomoda o leitor (os meus preferidos) e compensa a leitura.

Apesar do material ser independente e fruto de financiamento coletivo (do Catarse.Me), poderia ter feito uma parceria com uma editora. Não acho benéfico as produções serem impressas sem ficha catalográfica ou ISBN. A autora poderia ter feito uma parceria ou registrado a obra na Biblioteca Nacional como "obra do autor".



Um detalhe que me incomodou foi a repetição dos subtítulos. Acredito que a autora quis propor uma lógica cíclica talvez, começando e terminando em "Choro", p.ex., mas acho que poderia ter explorado melhor estes subtítulos e até feito um sumário, dando uma pista mais evidente para os leitores desatentos. Acho que isso foi decorrente da ausência de um editor, pois, além desta falta editorial, outro aspecto que faltou foi a paginação.

Mas estas ausências não diminuem a qualidade e a boa contribuição do material para a trajetória dos quadrinhos brasileiros.

Parabéns à Bianca pelo material.
Fico feliz em ter contribuído.
Fica a dica: Leiam "Dora"!

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Como foi: "Mafalda en Su Sopa"



Juro que não estou de TPM e nem sou 24h mau humorado. Pelo menos não todo o tempo! :)
Parece que esta minha estada na Argentina foi uma das piores. Minha criticidade estava num nível insuportável! (kkkkk) E além de tudo o celular não funcionava e minha máquina digital estava com péssima qualidade, enfim, um daqueles períodos....

Nunca fiquei tão decepcionado com tudo ao meu redor.


Fui visitar a exposição "Mafalda en Su Sopa", em comemoração ao aniversário da Mafalda e da homenagem a Quino, com muita expectativa. Uma expo de comemoração, na terra da personagem, só poderia ser uma mega exposição.
Engano infantil.



A exposição parece que foi feita com pouca estrutura. Não se enganem, não é uma exposição ruim. É boa, legal de passear. Muitos originais expostos (que me deixou surpreso por reconhecer que Quino desenhava as tirinhas em papel A3, com matrizes enormes para a versão final).
Muitas publicações impressas da época, ainda nas páginas dos jornais e livros em vários idiomas.



O que me deixou desanimado é que parece uma exposição feita na década de 1997. Os cartões informativos, legendas e descritores foram produzidos em máquina de datilografar elétrica e colados na parede, alguns caindo e descolando ou tortos.



Alguns expositores de material saíram do lugar e se desprenderam, ficando desarrumados.
O catálogo produzido da exposição não existe mais, nem para a venda, nem para distribuição (E veja que estou visitando a expo apenas 20 dias depois de sua inauguração!).



É pura falta de organização museológica. Mesmo quando temos uma quantidade limitada de catálogos, distribuímos em cotas por dia ou semana, durante a mostra, permitindo assim que os frequentadores, em todo o período, tenham a oportunidade de aproveitar a exposição.
Ela está programada para ficar até dezembro... se agora, 20 dias depois, já está se desmontando e se desestruturando, imagine com mais dois meses....




Gostei bastante da ideia de expor painéis, semi-transparentes. Achei o efeito bem interessante, plastica e informativamente.



Ao todo existem três exposições sobre Mafalda na cidade: na Biblioteca Nacional (seguem as fotos), no Museu do Humor (Não pude tirar fotos) e em outro espaço que não me recordo o nome agora.





O Caminho das Historietas foi renovado e está mais claro e vívido, sem possibilidade de se perder. Também inauguraram mais duas estátuas ao lado de Mafalda (Miguelito e Suzana).


Passei umas duas horas sentado só olhando frequência do movimento no ponto de Mafalda e apesar de ser um dia bem calmo, em nenhum momento a Mafalda teve descanso. Isso é um indicativo de como uma simples estátua comemorativa pode se tornar uma importante atração turística e movimentar a economia local (graças ao câmbio favorável, foram dois litros de cerveja com um pote de amendoim por R$20,00!)



Esta oportunidade o Brasil está deixando passar. Deveríamos fazer algo semelhante!