segunda-feira, 25 de março de 2013

defesa mestrado - pesquisa sobre HQs


concurso de Design e Multimídia

Universidade de Coimbra promove concurso de Design e Multimídia

 

Estão abertas as inscrições para o Brevemente, o 3º Concurso Universitário de Design e Multimídia, promovido pela Universidade de Coimbra, em Portugal. O concurso se destina a estudantes de graduação de países de língua portuguesa interessados na área de multimídia. O projeto tem como objetivos estimular a produção de trabalhos de design multimídia e promover o material dos estudantes selecionados. As inscrições vão até o dia 31 desse mês, e devem ser feitas no site do concurso.

Serão eleitos os melhores trabalhos em cada uma das quatro categorias do Concurso: Livre, Social, Movimento e Estacionário. Cada uma delas se destina a um tipo específico de trabalhos de design. Além disso, será atribuído também o prêmio da XV Semana Cultural da Universidade de Coimbra ao trabalho que melhor se enquadre no tema "Ser de Água".

Os vencedores do concurso serão exibidos em um evento de premiação a ser realizado no dia 14 de abril, no Museu da Ciência da Universidade de Coimbra. O júri é composto pela jornalista e professora da Universidade de Coimbra Clara Almeida e por quatro profissionais da área de multimídia: a fotógrafa Susana Paiva e os designers Sérgio Alves, Filipe Mesquita e Joana Monteiro.

"Ações Afirmativas e Políticas de Cotas no Brasil: Uma Bibliografia - 1999/2012"


Biblioteca Central Blanche Knoph, da Fundaj, lança e disponibiliza o Inventário "Ações Afirmativas e Políticas de Cotas no Brasil: Uma Bibliografia - 1999/2012"

Reproduzido do site da Fundaj. Versão Original, clique aqui. 

A Biblioteca Central Blanche Knopf, da Fundação Joaquim Nabuco, organizou e está disponibilizando, através do site da Fundaj, o inventário "Ações Afirmativas e Políticas de Cotas no Brasil: uma bibliografia – 1999/2012", reunindo 464 referências bibliográficas entre livros, dissertações, teses e artigos de periódicos, sobre o as Ações Afirmativas no país.

Ações afirmativas compreendem políticas públicas (e privadas) que visam à garantia de direitos historicamente negados a grupos minoritários, como negros, mulheres e portadores de deficiência.

Em nenhum outro momento da história da educação brasileira, as ações afirmativas representaram a "pauta do dia" como nos últimos dez anos. A Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012, regulamentada pelo Decreto nº 7.824, de 11 de outubro de 2012, garante até 2016 que, no mínimo, 50% das vagas das universidades públicas brasileiras deverão ser reservadas para alunos cotistas que tenham cursado o ensino médio integralmente em escolas públicas.

O inventário, de autoria das bibliotecárias da Fundaj, Lúcia Gaspar e Virgínia Barbosa, com apresentação da coordenadora da Biblioteca Central Blanche Knopf, Cynthia Campos, visa dar subsídios aos que estudam o tema das ações afirmativas e das políticas de cotas no Brasil. Segundo a nota explicativa do inventário: "as bibliografias e os catálogos são instrumentos importantes para o trabalho de estudiosos e pesquisadores. Organizando e divulgando fontes documentais, os inventários sistemáticos facilitam o processo de busca pela informação dispersa".

As autoras do trabalho explicam que, "ao disponibilizar o inventário no portal da Fundaj, a Biblioteca Central Blanche Knopf está cumprindo a missão de divulgar melhor seu acervo, contribuindo para democratizar e facilitar o acesso à informação".

O levantamento abrange, além do acervo da Instituição, publicações de diversas outras bibliotecas brasileiras, relacionadas no Item Fontes Consultadas. Organizado por ordem alfabética de entrada (autor ou título), a maioria das referências bibliográficas traz, no final, a indicação, entre colchetes, da instituição onde poderá ser consultado o documento. Nos casos em que não estão indicadas, são publicações citadas em bibliografias de livros, artigos de periódicos ou em sites de grandes livrarias.

Visando facilitar a consulta, foi elaborado um índice alfabético de título, remetendo para o número das referências. No índice os artigos, definidos e indefinidos, foram colocados após o título, como recomendam as normas de indexação brasileiras.

:: Leia, abaixo, a Apresentação do inventário, feito pela coordenadora da Biblioteca Blanche Knopf, Cynthia Campos.

APRESENTAÇÃO

Cynthia Campos
Coordenadora da Biblioteca Central Blanche Knopf
da Fundação Joaquim Nabuco

Ações afirmativas compreendem políticas públicas (e privadas) que visam à garantia dedireitos historicamente negados a grupos minoritários, como negros, mulheres eportadores de deficiência. Fundamentam-se no princípio de igualdade substancial oumaterial, que difere daquele professado pelo liberalismo francês e norte-americanoassentado em uma concepção formal de igualdade, qual seja, a de igualdade de oportunidades. Tal perspectiva fundamenta-se na premissa de que a igualdade dedireitos basta para garantir o acesso igual à educação e ao mercado de trabalho.

A passagem do modelo de igualdade formal para o material deriva da necessidade deoferecer condições desiguais de acesso àqueles que são tratados historicamente e,portanto, estruturalmente, de forma desigual, com o propósito de corrigir décadas defalta de oportunidades. Por isso, as ações afirmativas também serem denominadas dediscriminação positiva. Discrimina-se para incluir, levando-se em consideração idiossincrasias de gênero, etnia, raça e classe social. Nesse contexto, as políticaspúblicas de educação e trabalho passam a ser direcionadas para esse indivíduo, que hámuito deixou de ser universal.

Em nenhum outro momento da história da educação brasileira, as ações afirmativasrepresentaram a "pauta do dia" como nos últimos dez anos. A Lei nº 12.711, de 29 deagosto de 2012, regulamentada pelo Decreto nº 7.824, de 11 de outubro de 2012,garante até 2016 que, no mínimo, 50% das vagas das universidades públicas brasileirasdeverão ser reservadas para alunos cotistas que tenham cursado o ensino médiointegralmente em escolas públicas, das quais 50% (25% do total) destinam-se aos debaixa renda (renda per capita igual ou inferior a 1,25 salário mínimo), sendo os 50%restantes destinados a negros, pardos e indígenas, distribuídas proporcionalmente deacordo com o percentual populacional da unidade federativa identificado no último censo.

Não resta dúvida que, embora, polêmica, a Lei de Cotas, como ficou conhecida areferida lei, constitui-se em uma iniciativa de reparação das distorções históricasvivenciadas, sobretudo, pela população afrodescendente, que também é a populaçãomais pobre. Mais de cem anos após a abolição da escravatura, pouco se vê negros ocupando cargos nos quadros dirigentes do país. Realidade que resulta da ausência depolíticas de inclusão educacionais e de trabalho para as camadas inferiores da população e que reverbera nos altos índices de jovens, homens, pobres e negros vítimas da violência urbana, seja financiada pelo tráfico ou por outra forma deenvolvimento com a criminalidade.

Mas não é apenas a população de afrodescentes a única marginalizada pela falta deacesso ou pela desigualdade de condições: mulheres, indígenas e pessoas portadoras denecessidades especiais também precisam ser discriminados e discriminadas positivamente. A forte tradição do patriarcado no Brasil ainda destina às mulheres salários inferiores aos dos homens, mesmo quando possuem a mesma qualificação eocupam as mesmas posições no mercado de trabalho. Do mesmo modo, criam-se cotaspara portadores de necessidades especiais garantirem seus direitos como pessoaseconomicamente ativas e não dependentes de um inexistente Estado de Bem- Estar Social.

Reconhecendo a importância e a centralidade que as ações afirmativas ocupam numaagenda educacional, as Bibliotecárias Lúcia Gaspar e Virgínia Barbosa da Silvarefereciam, nas páginas que seguem, 464 textos, entre artigos, livros, teses edissertações, que discutem as ações afirmativas em diversas frentes, fazendo desteinstrumento imprescindível e atual para pesquisadores e educadores.

:: Leia o trabalho completo,
Faça o download do arquivo em pd

“Temas Transversais em Sociologia – Estudos Anarquistas”

Seminário no Campus I/UFPB aborda Movimentos Anarquistas

"Temas Transversais em Sociologia – Estudos Anarquistas" ocorre até quarta-feira (27), no CCHLA; participam professores e pesquisadores do país e do exterior

Acontece até quarta-feira (27), no Campus I da Universidade Federal da Paraíba (EFPB), em João Pessoa, o I Seminário Internacional - Temas Transversais em Sociologia – Estudos Anarquistas. Quem promove o evento é o Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS) e o Grupo de Estudos e Pesquisas Anarquistas (GEPAn), do Centro de Ciências Humanas e Letras da UFPB.

 

De acordo com os organizadores, o evento propõe a prática da transversalidade como princípio teórico-metodológico. O objetivo é reunir professores e pesquisadores provenientes de universidades do país e do exterior em torno da temática dos Estudos Anarquistas.

 

O tema

O tema da transversalidade na Sociologia ganhou alguma importância nas últimas décadas. Uma delas está no fato de contribuir para evitar o que Pierre Bourdieu chamou de "monoteísmo metodológico". Se o objeto da sociologia é relacional, isto é, apenas existe a partir de um conjunto de relações das quais extrai suas propriedades fundamentais, então um dos desafios do sociólogo e do pesquisador é pensar relacionalmente: evitar a inclinação substancialista que percebe a realidade a partir de categorias autônomas e isoladas entre si – classes, grupos, etc. – para privilegiar as relações dos espaços sociais entendidos em sentido multidimensional. É um procedimento teórico e metodológico que coloca a possibilidade de conectar pesquisas e áreas do conhecimento que estão separadas apenas aparentemente.

 

O encontro conta com a participação de:

Adelaide Gonçalves, professora no Departamento e no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Ceará. Coautora, entre outros, de: A Bibliografia Libertária. O Anarquismo em Língua Portuguesa (São Paulo, Imaginário, 2001); A Imprensa Libertária no Ceará (São Paulo, Imaginário, 2000).

Alberto Centurião, dramaturgo, ator e diretor; foi professor (1986-1993) do Curso de Artes Cênicas da Faculdade Martup, ministrando aulas de Encenação, Teatro Aplicado à Educação e História do Teatro; é associado do Centro de Cultura Social de São Paulo.

Daniel Colson, professor de Sociologia na Universidade Jean Monnet (Sainte Etienne, França) e pesquisador no Centre Max Weber (Centre National de la Recherche Scientifique). Autor, entre outros, de: Petit lexique philosophique de l'anarchisme: de Proudhon à Deleuze (LGF, 2001) e Trois essais de philosophie anarchiste. Islam – histoire – monadologie (Léo Scheer, 2004).

Jesús Sepúlveda, professor na Universidade do Oregon (EUA); entre seus ensaios, destacam-se: El jardín de las peculiaridades (Ediciones del Leopardo, 2002); Realidades multidimensionales (Cuarto Próprio, 2011).

John Zerzan, pesquisador independente, filósofo e escritor. Editor da revista americana Green Anarchy e autor, entre outros, de: Future Primitive and Other Essays (Autonomedia, New York, 1994); Against Civilization: Readings and Reflections (Feral House, Los Angeles, 2005); Future Primitive Revisited (Feral House, Los Angeles, 2012).

Loreley Garcia, professora associada e coordenadora do Programa de Pós Graduação em Sociologia (UFPB). Entre suas publicações, destaca-se: Sexo e Anarquia (2012), Meio Ambiente e Gênero (Ed. Senac, 2012), Família como Armadilha (João Pessoa, Ed. Universitária, 2011), A pimenta e o sonho (João Pessoa, Ed. Universitária, 2008); e coorganizadora do "Dossiê Estudos Anarquistas Contemporâneos", Revista Política & Trabalho nº 37 (João Pessoa, PPGS, 2012).

Nildo Avelino, professor no Departamento de Ciências Sociais e no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal da Paraíba, coordenador do Grupo de Estudos Anarquistas (GEPAn), pesquisador no Centre Max Weber. Autor de Anarquistas: ética e antologia de existências (Rio de Janeiro, Achiamé, 2004); e coorganizador do "Dossiê Estudos Anarquistas Contemporâneos", Revista Política & Trabalho nº 37 (João Pessoa, PPGS, 2012).

Renata Pallottini, poetisa, dramaturga e ensaísta; foi professora na Escola de Comunicação e Artes da USP. Dentre seus trabalhos, destacam-se: Enquanto se vai morrer (1972), peça abordando o crime de tortura; Colônia Cecília (1987), adaptação para o teatro de uma das mais significativas experiências do anarquismo brasileiro. Estes e outros ensaios foram reunidos no volume Teatro completo (São Paulo, Editora Perspectiva, 2006, 888p).

Rodrigo Cruz Gagliano, anarquista, escreve sobre saúde como autogestão e resistência, amor livre e contra a sociologia e a linguística.

 

Mais detalhes sobre o evento podem ser conferidos no seguinte endereço:  

http://www.cchla.ufpb.br/estudosanarquistasou pelo telefone (83) 3216-7141.

Coleção Índios do Nordeste


sexta-feira, 22 de março de 2013

Salão de Humor da Amazônia



Cartunistas, chargistas e desenhistas podem inscrever-se até 04/04.
Evento está na quinta edição e acontece de 26/04 05/05, em Belém.


O cartum "La Condiciín Humana", do cartinista Lucho, do Peru, foi o primeiro lugar na categoria livre em 2012. (Foto: Divulgação)O cartum "La Condiciín Humana", do cartunista Lucho, do Peru, foi o primeiro lugar na categoria livre em 2012. (Foto: Divulgação)
O V Salão Internacional de Humor da Amazônia - Ecologia no Traço está com inscrições abertas até o próximo dia 4 de abril para cartunistas, chargistas e desenhistas em geral que querem mostrar seu trabalho . As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo email humorecologico@gmail.com.
O evento abre dia 26 de abril e segue até 05 de maio, durante a programação da 17ª Feira Pan Amazônica do Livro, no Hangar - Centro de Feiras e Convenções da Amazônia, em Belém. O Salão tem por objetivo de estimular e divulgar a produção dos humoristas gráficos,  sendo uma espécie de tribuna gráfica para mostrar o talento e a crítica de todos os cartunistas preocupados com os problemas ecológicos que afligem o planeta, particularmente a Amazônia.
Categorias
Os candidatos podem inscrever-se nos temas, com obras que não tenham sido premiadas em outros eventos: "Ecologia" (obrigatório), na qual consideram-se todos os cartuns inéditos que versem sobre os problemas ecológicos.  Ao todo, serão selecionados 70 trabalhos.
A segunda categoria é de temática livre e consideram-se todos os cartuns inéditos sobre qualquer tema e serão selecionados 50 trabalhos. E também há a categoria "Caricatura", em que são aceitas caricaturas inéditas de qualquer personalidade reconhecida e para esta serão selecionados 40 trabalhos.
Para submeter obras para a categoria livre é obrigatório o participante inscrever obras/cartuns na categoria Ecologia. Além disso, é vedada a inscrição de cartuns e/ou caricaturas selecionadas nas edições anteriores do Salão de Humor da Amazônia ou em outros Festivais e que não sejam inéditas.
A avaliação dos trabalhos será feita no dia 6 de abril e a divulgação dos selecionados ocorre dia 8. Cerca de 160 trabalhos devem ser selecionados para compor a quinta edição do salão.
Este ano, a realização é da Secretaria de Estado de Cultura do Pará e da Central de Produção, Cinema e Vídeo na Amazônia, com a Coprodução da Tr3s Produtora e apoio institucional da Lei Municipal de Cultura Tó Teixeira.
Serviço
Inscrições para o V Salão Internacional de Humor da Amazônia - Ecologia no Traço até 04/04 pelo e-mail humorecologico@gmail.com. Mais informações aqu
i

quinta-feira, 21 de março de 2013

CHAMADA PARA O "DOSSIÊ IDENTIDADES"


CHAMADA PARA O "DOSSIÊ IDENTIDADES" (Vol.5, nº9, Jan/Jun 2013)

A revista ANTARES acolherá ensaios e artigos inéditos sobre o tema Identidades, o qual tem sido objeto de reflexão dos estudos literários e linguísticos, das ciências humanas e sociais, dos estudos culturais e de gênero, das vertentes pós-modernistas e pós-coloniais, entre outros. Trata-se de um tema que se impõe a diferentes disciplinas e áreas por sua estreita relação com a dinâmica cultural na contemporaneidade, caracterizada pela intensificação e extensão dos fluxos migratórios, diásporas, revivals étnicos, reinvenções de tradições e hibridismos, em um contexto que exige tanto reinterpretações do passado, quanto novos olhares sobre o presente.

PRAZO PARA AS SUBMISSÕES: 15 de abril de 2013

EDITORES CONVIDADOS: Dr. Rafael José dos Santos (UCS); Dr. Ruben George Oliven (UFRGS); Dr. Frederick Mohen (Kings College)



ISSN: 1984-4921
 

CHARGE DE LAILSON


quarta-feira, 20 de março de 2013

Chamada: e-cadernos CES


Convite à apresentação de artigos até 22 de março: 

e-cadernos CES | «Desigualdades ambientais: conflitos, discursos, movimentos»
Organizadoras: Lúcia de Oliveira Fernandes e Stefania Barca
Mais informações em http://www.ces.uc.pt/e-cadernos/pages/pt/proximos-numeros/desigualdades-ambientais-conflitos-discursos-movimentos.php

 

segunda-feira, 18 de março de 2013

Exposição Real chega à UFPE

Exposição Real chega à Universidade Federal de Pernambuco

A Exposição Real, que conta a vida da Rainha Elizabeth II em diversas fotos, chega à Galeria Capibaribe, no Centro de Artes e Comunicação (CAC) da UFPE, onde fica até 27 de março. A mostra conta com fotos da visita da monarca ao Brasil nos anos 1960. Além das fotos, estará em exposição o quadro da rainha feito pelo artista pernambucano Romero Britto. A exposição está aberta de segunda a sexta, das 9h às 12h e das 14h às 17h.

A iniciativa faz parte da Temporada UKBrasil, que ocorre de setembro de 2012 a março de 2013 e reúne uma série de iniciativas para apresentar o que há de melhor no Reino Unido em áreas como artes, ciência, cultura, design, educação, negócios, inovação e tecnologia. Com o objetivo de explorar as grandes oportunidades da conexão Brasil-Reino Unido, foram desenvolvidos mais de 80 projetos em parceria entre as duas sedes para garantir um calendário regional e diversificado.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Congresso Brasileiro de Folclore abre inscrições

Congresso Brasileiro de Folclore abre inscrições

Estão abertas as inscrições para a 16ª Edição do Congresso Brasileiro de Folclore. O evento tem o objetivo de unir estudiosos e pesquisadores dos fatos folclóricos brasileiros para intercambiar e produzir novas formas de preservação, difusão e resgate do folclore do país. Este ano, o evento será realizado no Auditório Guarapuvu, do Centro de Cultura e Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina, entre os dias 14 e 18 de outubro. Mais informações no site oficial do evento: http://congressobrasileirodefolclore.wordpress.com

quinta-feira, 14 de março de 2013

Livro do Cartunista Belmonte - Caricatura dos Tempos



Titulo: Caricatura dos Tempos
Editora: Melhoramentos/Círculo do livro
Ano: 1982
Assunto: Charges; Caricatura; Humor

Link para download: 

Livro de Charges do chargista Belmonte abrangendo o período de 1936 a 1946 .

segunda-feira, 11 de março de 2013

Dossiê HQ e Sociedade na Rev. Espaço Acadêmico

Revista Espaço Acadêmico, nº 142, março de 2013

DOSSIÊ - HISTÓRIA EM QUADRINHOS & SOCIEDADE (Org.: Prof. Dr. Nildo Viana)

Histórias em Quadrinhos e Capital Comunicacional
Nildo Viana
Quadrinhos e Luta Cultural
Edmilson Marques
Notas metodológicas: por uma etnografia urbana dos quadrinhos
Marina Cavalcante Vieira
O que é nacional nos quadrinhos brasileiros?
Amaro Xavier Braga Junior
Misticismo e religiosidade nas histórias de Penitência
Iuri Andréas Reblin


Revista Monotipia


Acompanhe as novidades da Monotipia e seus parceiros. Edições recentes da revista, shows, cursos/ workshops, exposições, lançamentos e outras novidades em nosso boletim quinzenal.

Revista Monotipia - Março

Praticamente um pandemônio

Nessa edição, Aline Zouvi entrevistou Denis Mello, o quadrinhista camarada. Também conversamos com Ricardo Tokumoto, Lu Cafaggi e Vitor Cafaggi. André Lasak compartilhou conosco mais de sua produção textual.

Facebook
Twitter
Home
MonoMail
Google Plus
Uma pessoa por dia
365 dias. 365 pessoas. 365 fotografias. Monalisa Marques propõe crônicas visuais, abertas em sua essência, nessa curiosa aventura fotográfica.
Crowdfunding: descubra o que é e como a cadeia produtiva do quadrinho está crescendo através dele.
  • Gnut: "Um universo fantástico e cheio de seres estranhos!"  Uma HQ de Paulo Crumbim.
  • Shogum dos Mortos: "Disposto a tudo para vencer a guerra, um general vai até o Reino Sombrio dos Mortos para transformar seus guerreiros em criaturas que vivem e lutam na fronteira entre a humanidade e o inferno". Uma HQ de Daniel Werneck.

#Vemgente!

#vemgente! escritório aberto para artes, artistas e produtores! para ver: mostra coletiva de artes visuais, para ouvir: música boa, para comer e beber: água, refri, cerveja, e outras coisinhas, para fazer: conhecer o escritório novo, trocar ideias, conhecer gente nova e rever os amigos!
--
Ideia Coletiva
 
Grupo formado por diversos artistas e empresas, que, desde 2006, realizam atividades culturais. Agora reunidos em um espaço no centro Campinas, promovem novas ações com a participação de outros grupos e está aberto a propostas.
 
Dia 6 de Abril, #Vemgente! Um evento para o encontro de ideias. Traga a sua.
 
 
No #vemgente! Será realizada uma mostra com a proposta de difundir as produções de artistas locais e incentivar a aquisição de obras a preços acessíveis ao público.
 
O objetivo desta Mostra é despertar o interesse do público pela aquisição de peças de arte. Assim, a proposta de vender peças de Arte por um valor bastante acessível é uma forma de aproximar o público da produção do artista. 
 
Para conhecer as condições gerais, envie um e-mail para: tenhoumaideia.coletiva@gmail.com
 
Inscrições até o dia 25/03

Podcasts/ web_rádios

  • Ninho do Coruja: o maior show das rádios livres brasileiras. Domingos, das 22h à meia-noite, no Mixlr.
  • Pauta Livre News: Podcast de humor, que faz de tudo uma grande piada.
Próximo boletim: 25 de março.
Like
Tweet
Forward to Friend
Sobre a revista
Edições de 2013
Edições de 2012
Edições de 2011
Mangha Gráfica
Entrevistas
Parceiros
A Rua dos Bobos
Associação Café Espacial
Espaço Asimov
Petisco Webcomics
Pockets Comics
Copyright © 2013 Editora Monotipia, All rights reserved.


unsubscribe from this list    update subscription preferences 

Email Marketing Powered by MailChimp